de qualquer forma, sempre fomos duas bestas asmáticas

Correr louca até ti e esfregar o meu corpo no teu. Perder-me em ti e desorientar-te em mim até te contagiar com todas as minhas doenças. Abraçar-te com força e largar-te só quando a febre te fizer delirar. Berrar com dores e implorar por anestesia. Ter um inferno no lugar dos olhos e o cérebro a derreter-te orelhas fora. Ver ideias a surgir, ideias a desaparecer e ideias a rir de nós. Colar o teu coração ao meu céu-da-boca. Infectar-te a garganta até a voz te enrouquecer e ouvir-te cantar, assim, as canções que me escreveste.

Carolina
blog? São ensaios cegos, lúcidos, físicos & metafísicos. É uma mente deteriorada e uma mão cansada. Ou incansável. Relógios parados. E sangue? (...) Mas sobretudo perda de tempo. E possivelmente mais qualquer coisa. Não sei. Incerteza também.

yeah, thanks

© 2010, Luna