três badaladas surdas

são agora para lá das três e ainda sinto que a cafeína do pequeno almoço me percorre as veias. os pulsos ainda latejam e a adrenalina dispara desenfreadamente em direcção a... todo o lado. ou talvez seja só efeito do banho de whiskey que me permiti ainda há minutos. está um calor infernal e as pessoas, burras, teimam em encher-se de casacos com cheiro a mofo e cachecóis ranhosos. as pessoas, burras, têm a mania que só por estar escuro na rua, é Inverno. eu cá, dispo-me (como sempre) e deixo a roupa num contentor de lixo. aposto que pela manhã farei feliz um qualquer sem-abrigo imundo. um cigarro, alguém tem um cigarro? porra, ficou no bolso do casaco. putas, onde estão as putas com os seus cigarros manhosos com sabor a chocolate? sempre a mesma porcaria, só aparecem quando não fazem falta. putas de merda! mais um quarteirão e já me cheira a sexo.

Carolina
blog? São ensaios cegos, lúcidos, físicos & metafísicos. É uma mente deteriorada e uma mão cansada. Ou incansável. Relógios parados. E sangue? (...) Mas sobretudo perda de tempo. E possivelmente mais qualquer coisa. Não sei. Incerteza também.

yeah, thanks

© 2010, Luna