pequeno parêntesis XV

eu explico: quando eu digo que sim, na verdade o que estou a gritar é não. um não mesmo grande. e esperava que alguém conseguisse ouvir isso. não é questão de complicar - não me venham com merdas - é questão de compreender que não compreendem, de saber que não sabem & de ter a certeza de que não têm a certeza. é um teste. e não me entristece, mas desilude-me que ninguém me consiga surpreender. ou desilude-me ter esperança - ainda não percebi bem. porque que isto é o Inferno, já todos sabemos!, só não quero ter um palco vazio à minha frente, não quero camuflar-me entre risos sarcásticos e muito menos quero dar tudo de uma vez. de resto, até gosto muito do frio que faz aqui no Inferno. de resto, até gosto que ignorem ou que finjam que ignoram. até gosto de farsas. de tragédias também. comédias nem tanto. comédia é para ignorantes.

Carolina
blog? São ensaios cegos, lúcidos, físicos & metafísicos. É uma mente deteriorada e uma mão cansada. Ou incansável. Relógios parados. E sangue? (...) Mas sobretudo perda de tempo. E possivelmente mais qualquer coisa. Não sei. Incerteza também.

yeah, thanks

© 2010, Luna