o frio é psicológico

De facto, estaria muito mais confortável em casa do que sentada no chão da rua numa noite de Inverno, mas a vontade de movimento é tão escassa, que me permito mais um minuto ao frio. Ou sessenta. A verdade é que preciso de pensar e o meu quarto não tem espaço suficiente para todos os meus pensamentos. Provavelmente daí só sairiam pensamentos magoados, de tanto baterem no tecto, nas paredes e no chão. E curar pensamentos magoados não é fácil, diz-me a experiência. Há coisas que se fixam com um bocado de saliva ou de outra coisa qualquer, pensamentos não. É claro que podemos anestesiá-los e as coisas acalmam por uma hora, duas, cinco. Tudo depende da quantidade de álcool que se estiver disposto a ingerir. Mas como eu dizia, preciso de pensar; e na rua há espaço para todos os pensamentos. Com sorte decidem ficar por cá.
(...) Diz a outra que fumar e beber é ceder à pressão da sociedade. Tem a mania que é demasiado indie, que nada ou quase nada lhe agrada. O que eu acho é que ela é demasiado indie para a vida. E aposto que só não se matou ainda porque seria aderir ao mainstream. É pena.
O que eu sei é que se ceder à pressão da sociedade tiver sempre este sabor, venham de lá mais maços de tabaco, que eu, sinceramente, estou-me a cagar.
Até logo.

Carolina
blog? São ensaios cegos, lúcidos, físicos & metafísicos. É uma mente deteriorada e uma mão cansada. Ou incansável. Relógios parados. E sangue? (...) Mas sobretudo perda de tempo. E possivelmente mais qualquer coisa. Não sei. Incerteza também.

yeah, thanks

© 2010, Luna