odeio-te, vamos foder

Não sou muito. Não sou. Quero que deixes de ver em mim coisas que eu não tenho, quero que ganhes consciência de que não sou um ser superior, não sou mais inteligente nem mais interessante. Quero que percebas que provavelmente nem uma pessoa sou. Quero que me vejas como uma besta porque é o ser mais perto de ser aquilo que eu sou. Quero que desistas de te perder com questões profundas quando isto é tudo superficial, quase carnal. Quero abras os olhos. Já é tempo. Depois de tudo devias querer cuspir-me em cima, devias querer bater-me e deixar-me despida a um canto em vez de me pegares ao colo e levares de volta para dentro de ti. Devias saber que te vou queimar de dentro para fora, que em breve já nem o significado de pele sabes.

Carolina
blog? São ensaios cegos, lúcidos, físicos & metafísicos. É uma mente deteriorada e uma mão cansada. Ou incansável. Relógios parados. E sangue? (...) Mas sobretudo perda de tempo. E possivelmente mais qualquer coisa. Não sei. Incerteza também.

yeah, thanks

© 2010, Luna