vou começar agora

é porque não sei até que ponto faço isto por mim. não sei até que ponto não o estou a fazer por eles, para eles, para eles gostarem, para eles falarem e dizerem que fica bem. não sei até onde é que ainda tenho interesse nisto nem sei se é isto que quero para mim. acho que não quero nada para mim. acho que quero só andar por aí de mão dada com Ele e não ter de fazer mais nada. e não querer fazer mais nada. acho que o meu problema é não querer saber de nada mas querer saber sempre de alguém, que é sempre o mesmo alguém, são sempre os mesmos alguéns. porque a mim é-me indiferente que o faça ou não mas a eles sei que não é. para eles sei que tenho de fazer. e então eu faço mas não sinto nada por fazê-lo nem sei se alguma vez sentirei. se calhar estou só cansada e amanhã já me arrependo de pensar assim.

Carolina
blog? São ensaios cegos, lúcidos, físicos & metafísicos. É uma mente deteriorada e uma mão cansada. Ou incansável. Relógios parados. E sangue? (...) Mas sobretudo perda de tempo. E possivelmente mais qualquer coisa. Não sei. Incerteza também.

yeah, thanks

© 2010, Luna